Ir para conteúdo
Património Edificado
Património Edificado

Capela de Nossa Senhora dos Anjos

Apesar da povoação de Feteira não constar do censo de 1527, já deveria existir pois a sua capela, em honra de Nossa Senhora dos Anjos, erguida à entrada da aldeia e muito perto do Moledo, é sem dúvida uma construção quinhentista, semelhante às existentes na Pena Seca e no Reguengo Pequeno. O nome da localidade, que se dizia Afeteira, derivará da existência abundante de Fetos.

É uma pequena capela de finais do século XVI, com características renascentistas, de arquitetura rural típica da zona estremenha. Com alpendre de três águas sobre a porta principal, que ocupa a quase totalidade da fachada, está rodeada por um pequeno adro de forma circular com quatro degraus que dão acesso ao nível inferior da rua. O alpendre é sustentado por dois colunelos, assentes em murete e com moldura em cantaria, possuindo em toda a volta do seu interior um banco de pedra corrido. A capela-mor está separada do corpo da igreja por arco de volta perfeita, sustentado por duas colunas toscanas, e o altar-mor possui um retábulo do século XVIII em madeira pintada a azul e ouro, muito simples, onde se abre um nicho com a imagem da santa padroeira do século XVI. Os tetos, hoje recobertos a madeira, eram anteriormente pintados a azul celeste.

No exterior, a encimar a parede lateral do lado norte, foi construída uma pequena torre sineira em substituição de um antigo campanário.

Próximo desta aldeia foi descoberta, em 1981, a Gruta da Feteira, uma necrópole do neolítico, datada de há 53.000 anos, composta por sepulturas secundárias de urnas circulares. Numa das urnas, contendo ossos de vários corpos, foi encontrado um parietal que terá sido objeto de trepanação e que, mostrando calo ósseo, prova a sobrevivência do individuo a intervenção cirúrgica, bem como um crânio serrado, provavelmente utilizado em rituais funerários à semelhança de outros encontrados na Península Ibérica. Foram ainda encontrados peças de mobiliário funerário diverso, objetos para fins votivos, líticos e de cerâmica, lisa e decorada, assim como peças de colar em concha e em osso.