Ir para conteúdo
Sons na Areia 2022
21H00-23H00
05-06 agosto, 2022
Praia da Areia Branca/Foz

Sons na Areia

 

Todos os concertos são de entrada livre.

PROGRAMA:

5 de agosto

DAPUNKSPORTIF

Surgem em finais de 2004, em Peniche (Portugal), tendo por base o duo e núcleo criativo João Guincho e Paulo Franco, companheiros de longa data noutros projetos, e o produtor Marco Jung. Apesar das várias influências musicais tudo os conduz à presença de uma banda Rock na verdadeira aceção da palavra. Um Rock visceral apoiado nos riffs de guitarras elétricas sem limite de velocidade e à boleia de uma secção rítmica desenfreada. “Overdrive”, a maqueta de apresentação, cedo produziu boas críticas levando a banda a participar em diversos concursos e a pisar palcos de Norte a Sul de Portugal.  Em 2006 foi lançado:"Ready!Set!Go!", o álbum de estreia da banda que recebeu excelentes críticas pela imprensa nacional e estrangeira. Depois do arranque acelerado e vertiginoso que este proporcionou surge, em 2008, o segundo álbum da banda “Electro Tube Riot” que permitiu o acesso a grandes palcos como o da primeira edição do Festival Alive, Xan Xuan Festival nas Astúrias, primeira parte de Fu Manchu. O terceiro álbum sai em 2012. Os DAPUNKSPORTIF lançaram em 2018, o seu quarto álbum de originais “Soundz of Squeeze’o’phrenia”. Os elementos que integram a sua formação ao vivo são: Paulo Franco (voz e guitarra), João Guincho (guitarra), Fred Ferreira (bateria), Vicente Santos (teclas) e Filipe Brito (baixo).Old, New, Fast'n'Slow é o quinto álbum de originais e vai sair no próximo dia 3 de junho com o selo da Rastilho Records.

PAUS

Sem nada a provar e tudo a experimentar, os PAUS até agora sempre foram uma banda de dizer “porque não?” 

11 anos , 4 discos, 3 EPs e múltiplas tours por vários continentes, deixam os quatro de Lisboa, num sítio positivamente novo, num momento onde para cada novo desafio e oportunidade, a resposta parece ter evoluído para “YESS”.

“YESS” é o disco novo que sai no ano mais prolífico do quarteto. Depois de uma visita inspiradora a São Paulo e várias experiências de colaboração e mistura, “YESS” é positivamente um disco de PAUS, a banda que muda por natureza e que ao fim de 11 anos continua sem medo de arriscar, de se rir de si própria e de mudar.

O disco conta com a colaboração nos arranjos para sintetizadores modulares do brasileiro Grass Mass. Este trabalho de texturas eletrônicas ajudou o som de YESS a expandir o imaginário do que pode ser um disco de PAUS - das pistas de dança de Lisboa aos escuros clubes de punk rock, das rodas de batuque das ruas de São Paulo às raves de Berlim.

PAUS cumprem 11 anos a sentir que mudar é natural e necessário.

A vida vem de frente e a única resposta é “YESS”.

6 de agosto

BATEU MATOU

BateuMatou é um super grupo formado por Ivo Costa (Batida, Sara Tavares), Quim Albergaria (Paus) e Riot (Buraka Som Sistema). Para além de banda improvável, que junta Tambores e computadores, os Bateu Matou, são também uma tripla de produtores que trazem uma abordagem percussiva, fundido lições do contemporâneo e das raízes, para colaborar com algumas das vozes mais inspiradoras em Portugal. A banda surge em 2018 como projeto para uma club night. Em 2020 sai "Lume", o primeiro single em colaboração com Scúru Fitchádu e no final do ano o segundo com Héber Marques – “Povo”, um hino aos que sorriem na cara da adversidade, a celebração da gente que resiste. Em 2021, os Bateu Matou editam um duplo single “Clichê” / “Subi Subi”, justificado com o facto de “Lisboa ter muitos ritmos e muitas línguas, muitas danças e muitas gingas. Bateu Matou são uma banda dessa pluralidade e por isso difícil de reduzir a um único descritivo, quanto mais a um só single.” O Álbum “Chegou” foi editado em 2021 e foi unanimemente considerado pela critica, como um dos melhores do ano, a par do single “Clichê” também eleito pela critica como um dos melhores de 2021. Depois de terem feito em 2021, a Festa do Avante e o Super Bock em Stock, Os Bateu Matou, preparam-se para levar o Baile a todos os cantos do Pais e por Portugal a Dançar.

Em 2022, o Baile é dos BATEU MATOU.

RITA VIAN

Rita Vian trabalha a sua voz e composição num espectro amplo entre a eletrónica e a tradição. O fado é um capítulo muito importante na sua expressão artística, bem como a música urbana é a outra face dessa mesma artista. O remix de Branko para o single “Sereia” apresentou Rita Vian a uma audiência mais ampla.  Seguiu-se “Purga”, que conta com um vídeo realizado por João Pedro Moreira (Buraka Som Sistema, Regula, Dino D`Santiago). Este tema foi considerado pela plataforma digital TIDAL uma das melhores músicas de 2020, a canção nacional de 2020 pela rádio RADAR e uma das canções portuguesas que salvaram 2020 pelo Observador. Os caminhos de Rita Vian são tão inesperados como arrebatadores. CAOS'A é o título do novo EP de Rita Vian. O EP de cinco temas conta com a produção de Branko e tem como single "Trago", com realização do João Pedro Moreira. Depois de uma composta casa no Teatro Tivoli BBVA (Lisboa) seguiram-se apresentações no Maus Hábitos (Porto), Courage (Paredes de Coura), ambos em 2021. Para 2022 está agendado o ID NO LIMITS e NOS Primavera Sound.